Coreia do Norte. O país onde a internet é um Big Brother

                        

A net dos norte coreanos é peculiar e está a espiar os utilizadores a todo o momento.



Pegar nas ferramentas destinadas a assegurar a liberdade de expressão e virar tudo ao contrário.
Foi o que a Coreia do Norte fez ao pegar no software de uso livre Linux para criar o Estrela Vermelha, o único sistema operativo usado no país e que não se liga à world wide web – apenas um grupo muito restrito tem acesso à internet a nível mundial.

A net usada no país, a Kwangmyong, é basicamente um sistema interno (uma intranet, que no mundo ocidental é usada dentro de empresas, por exemplo) e não permite que os utilizadores domésticos acedam a sites estrangeiros.

Em 2014 houve uma fuga para o exterior da versão 3 do Estrela Vermelha e dois investigadores alemães estudaram-no profundamente. Niklaus Schiess e Florian Grunow apresentaram agora a suas conclusões ao congresso Caos Communication, este fim de semana em Hamburgo.

Apesar de o código ser Linux, o sistema operativo é único. A revista online Motherboard explica que “vem com tudo que um utilizador pode precisar, incluindo um processador de texto e software para a criação de música”. Como motor de busca, usaram novamente outra ferramenta de uso livre, um Firefox modificado.

“É baseado no Linux e tem a aparência de um Mac [ da Apple]”, explicam os investigadores, adiantando ainda porque se deram ao trabalho de explorar ao detalhe o sistema operativo deste regime ditatorial.

A Coreia do Norte “viola os princípios do software livre para criar um sistema operativo que suprime a liberdade de expressão”. Agora, querem revelá-lo ao público e ensinar como se podem “contornar as limitações introduzidas pelo regime”.

Basicamente, é um sistema “desenhado para se defender e proteger de tentativas de alteração” vindas do exterior e que permite invadir a privacidade dos utilizadores.

Citado pelo Guardian, Grunow disse que “talvez queiram ser independentes de outros sistemas operativos para não deixar portas abertas” à espionagem.

Mas o principal objetivo dos alemães foi investigar as violações da privacidade e o controlo dos utilizadores pelas autoridades. E descobriram que “as funcionalidades implementadas no Estrela Vermelha são o sonho molhado de um ditador à frente um estado super controlador”.

Tão persecutório, que permite “marcar e seguir o percurso de documentos ou ficheiros multimedia”, como filmes, textos ou música ‘subversiva’ vinda do estrangeiro.

Fonte: IOnline

+1

Comentários